Domingo, 18 de Maio de 2008

O balanço da mais trágica guerra da história da Humanidade

«Às perdas humanas e às destruições materiais, é preciso juntar ruínas de um carácter diferente: a desorganização da sociedade, sobretudo no Leste. É talvez a Polónia que apresenta, a este respeito, o caso mais dramático. Os alemães, senhores do território durante seis anos, empreenderam a destruição sistemática de todas as elites – intelectuais, administrativas, espirituais, políticas –, de maneira a deixarem este país sem quadros nem possibilidades de se reerguer. (…)

Finalmente, na ordem dos sentimentos, a guerra e as suas atrocidades (…), o extermínio sistemático de milhões de judeus, deixam vestígios duradouros, ressentimentos contra a Alemanha e a Itália, variando de intensidade segundo os países, mais intensos, por exemplo, na Holanda e na Noruega do que em França, e mesmo ressentimentos entre nacionalidades vizinhas ou fazendo parte do mesmo Estado.
A tarefa de reconstrução parece, pois, em 1945, muito mais vasta e também muito mais difícil do que [a que acontecera] um quarto de século mais cedo [1.ª Guerra Mundial].»
 
René Rémond, Introdução à História do Nosso Tempo
 
Sintetize o balanço da 2.ª Guerra Mundial.
Publicado por História às 16:14
| Comentar | Ver comentários (7)

A aliança internacional das forças democráticas na luta contra o imperialismo do Eixo

«Qual foi, perante a política de Hitler, a atitude dos demais Estados europeus?

(…) A política britânica foi relativamente simples: certas reivindicações alemãs, como por exemplo a remilitarização da Renânia ou a união com a Áustria – embora estivessem em contradição com os tratados –, não lhe pareciam desrazoáveis, e daí, até 1939, a convicção de que, não se lhes opondo, se poderia desarmar e amaciar o ditador alemão. (…)
A política francesa foi mais complexa. A partir da subida de Hitler ao poder, certos homens de Estado franceses persuadiram-se de que, perante o renascer do perigo alemão, a política de segurança colectiva estava ultrapassada. (…) A política externa francesa foi apenas uma sucessão de abandonos perante as exigências alemãs – uma “política de decadência” que se explicava pelo medo/pânico de não ter dos Ingleses e que, portanto ia a reboque deles (…). Na aparência, as políticas inglesa e francesa eram próximas uma da outra; mas num caso a política era assumida conscientemente e no outro não passava de uma expressão de fraqueza que procurava justificar-se numa opinião pública visceralmente pacifista.
Havia ainda a União Soviética, cuja política balançou entre dois pólos: a sua hostilidade ao nazismo , que por sua vez se declarava ferozmente antibolchevista, e a sua hostilidade ao sistema de Versalhes, entre cujas vítimas se contava.
(…) No decurso dos anos 30, a Europa voou em pedaços. A crise económica foi o detonador de uma crise política, ideológica, moral, etc. (…) Em 1939, a crise dos anos 30 terminava, para o pequeno continente europeu – esquartejado entre o comunismo, o fascismo e a democracia –, numa nova tragédia em que ele iria jogar em horrores a sua bimilenária história.»
 
Jean Carpentier e François Lebrun, História da Europa, Editorial Presença
 
Explique a atitude dos estados europeus face à política do eixo nazi-fascista.
Publicado por História às 16:07
| Comentar | Ver comentários (3)
Sábado, 3 de Maio de 2008

Preparação para a Prova de Avaliação (Resumos)

A Sociedade de ordens do Antigo Regime

http://elchistoria.blogs.sapo.pt/8154.html

 

O poder absoluto

http://elchistoria.blogs.sapo.pt/8292.html

 

A filosofia das Luzes

http://elchistoria.blogs.sapo.pt/8796.html

 

A Revolução Francesa – paradigma das revoluções liberais e burguesas

http://elchistoria.blogs.sapo.pt/10360.html

 

A Revolução Liberal de 1820

http://elchistoria.blogs.sapo.pt/10853.html

 

Atenção: Os alunos devem ler e analisar, com particular atenção, os comentários/resumos da autoria de "História".
Relembro que os resumos não se substituem ao manual nem limitam o estudo, apenas ajudam a esquematizar os conhecimentos com um raciocínio ordenado.

 

Bom trabalho!

Publicado por História às 03:59
| Comentar

Externato Luís de Camões

Pesquisar

 

Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Posts recentes

Guia de estudo para o exa...

Guia de estudo para o tes...

Apresentação "Do autorita...

Caderno Diário "Do autori...

A Revolução de Abril

A liberalização fracassad...

Continuidade e evolução

O isolamento internaciona...

A defesa da independência...

A defesa do Ultramar

A solução para o Ultramar

O sobressalto político de...

Apresentação "Os Totalita...

O Estalinismo

O Estado Novo

O Nazismo

O Fascismo

As consequências da Grand...

A Grande Depressão dos an...

Caderno Diário "A Grande ...

Os "loucos anos 20" e as ...

Caderno Diário "Mutações ...

A falência da Primeira Re...

O agravamento da instabil...

Caderno Diário "Portugal ...

Caderno Diário "As transf...

Da depressão económica à ...

Guia de estudo: As Revolu...

Guia de estudo: A Filosof...

Guia de estudo: O Absolut...

Guia de estudo: A Socieda...

Trabalho de pesquisa - A ...

Trabalho de pesquisa - A ...

Trabalho de pesquisa - A ...

Exercício 5 - A Declaraçã...

Exercício 3 - Manifestaçõ...

Exercício 2 - O Absolutis...

Exercício 1 - A Sociedade...

Do Absolutismo às Revoluç...

Guia de estudo: Humanismo...

Arquivos

Junho 2013

Abril 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Ligações