Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2011

A pintura do Renascimento

 

 

 

 

Publicado por História às 22:42
| Comentar

Michelangelo, BBC, 1.ª de 4 partes

 

 

 

Publicado por História às 22:37
| Comentar

Leonardo da Vinci, Canal História, 1.ª de 10 partes

 

 

 

Publicado por História às 22:22
| Comentar

Leonardo da Vinci, BBC, 2004, 1.ª de 18 partes

 

 

 

Publicado por História às 22:19
| Comentar

A Man For All Seasos, de Fred Zinnemann (1966)

 

 

Publicado por História às 22:11
| Comentar

Hamlet, de Franco Zeffirelli (1990)

 

 

Publicado por História às 22:11
| Comentar

1492, Ridley Scott (1992)

 

 

Publicado por História às 22:10
| Comentar

Miserere Mei Deus, Allegri (1630)

 

 

 

Publicado por História às 22:09
| Comentar

Hoy Comamos y Bevamos, de Juan del Enzina (1496)

 

 

 

Publicado por História às 22:09
| Comentar

A crítica social em Erasmo de Roterdão

“Próximo da felicidade teólogos está a daqueles a que o vulgo chama religiosos e monges (…). Atribuem tanta importância às suas particulares cerimónias e às suas tradições humanas que lhes parece que o céu não é bastante prémio para tantos méritos. Esquecem todos que Cristo lhes perguntará somente se obedeceram à sua lei, a lei da caridade. (…)

Já há algum tempo que desejava falar-vos dos reis e dos príncipes (…). Eles entregam aos deuses todos os negócios, levam uma vida de moleza e não querem ouvir senão os que lhes dizem coisas jucundas ou lhes afastam os cuidados. Julgam executar inteiramente as funções régias se vão assiduamente à caça, se tratam dos cavalos, se vendem comodamente prefeituras, se diariamente inventam novas maneiras de diminuir a riqueza dos cidadãos e de aumentar a da coroa com o fisco. (…)

Que direi dos cortesãos? Nada há mais rasteiro, mais servil, do que esses homens que se querem considerar os primeiros entre todos. (…)

Rivais dos príncipes, os sumos pontífices, os cardeais e os bispos quase os superam. (…) Os nossos pastores não fazem mais do que buscar pasto. (…)

Se julgares o meu discurso demasiado petulante, pensai que falei em nome da loucura.”

 

Erasmo de Roterdão, Elogio da Loucura, Lisboa, Cosmos Clássicos

 

  1. A quem são dirigidas as críticas formuladas por Erasmo? Porquê?
Publicado por História às 22:07
| Comentar

A invenção da imprensa

"Enviaste-me, há alguma tempo, as deliciosas epístolas de Gasparino de Bérgamo, que não somente corregistes com cuidado, mas que haveis feito reproduzir com notável perfeição pelos vossos impressores alemães (...). As letras têm sido feridas (...) pelas incorrecções cometidas pelos copistas. Assim, é com a maior satisfação que deve ver-se afastar esse flagelo da cidade parisiense graças aos impressores que fizestes vir da Alemanha para esta cidade e que reproduzem correctamente, dos manuscritos os livros (...)."

 

Jules Philippe, Origens da Imprensa em Paris

 

  1. Refere o motivo pelo qual o autor do documento deixa transparecer satisfação.
  2. Indica as principais consequências do nascimento da imprensa.
Publicado por História às 22:07
| Comentar

A experiência

"Os mestres estão empoleirados na sua cátedra como galinhas e, com um notável ar de desprezo, dão informações sobre as coisas que jamais tocaram com as suas próprias mãos, mas que se lembram de ter lido nos livros dos outros (...). Por consequência, todo o ensino é falso: perde-se o tempo com questões absurdas e é tudo tão confuso que o aluno aprende ali menos do que se seguisse o curso de carniceiro (...)."

 

André Vesálio, Acerca da estrutura do corpo humano, 1543

 

  1. Qual a crítica apontada aos mestres?
Publicado por História às 19:50
| Comentar

A educação humanista

"Aconselho-te, meu filho, a que aproveites a juventude para estudares e te tornares virtuoso. Estás em Paris, tens o teu preceptor (…) que por ensinamentos vivos e louváveis exemplos te pode educar. Quero que aprendas perfeitamente línguas (…).

Quero que não haja história que não tenhas presente na memória para o conhecimento universal dos que a escreveram. Quando eras pequeno, tinhas cinco ou seis anos, fiz-te apreciar as artes liberais: a geometria e a música. Deves prosseguir. Deves aprender todos cânones da astronomia. Quero que saibas de cor todos os belos textos de direito civil e que os confiras com os de filosofia.

Depois, cuidadosamente, volta a estudar os livros dos médicos gregos, árabes e latinos e, por frequentes operações de anatomia, quero que adquiras o perfeito conhecimento do outro mundo que é o Homem. Durante algumas horas do dia começa a trabalhar sobre as Sagradas Escrituras, primeiro em grego o Novo Testamento e a Cartas dos Apóstolos, depois em hebreu o Antigo Testamento.”

 

Rabelais, Carta de Gargântua a seu filho Pantagruel

 

  1. Qual a importância da educação para o autor da fonte.
Publicado por História às 19:50
| Comentar

A educação renascentista

“Vitorino, originário de Feltre, na Lombardia, era um homem de categoria, e de vida sóbria, instruído no grego, no latim e nas sete artes liberais. (…) Era reputado em toda a Itália pelas suas virtudes e os seus conhecimentos e por isso numerosos aristocratas venezianos lhe enviaram os filhos para que os educasse e lhes ensinasse as belas letras (…). Ele permitia-lhes praticar exercícios físicos, e os filhos dos nobres eram encorajados a (…) fazer todos os exercícios bons para o desenvolvimento do corpo, dando-lhes estes recreios depois de terem aprendido e recitado as suas lições. Fazia leituras nas disciplinas apropriadas a cada classe e ensinava as artes liberais e o grego (…). Estabelecia um horário apertado, e não consentia que nenhuma hora fosse perdida. Raros eram os alunos que abandonavam a casa, e regressavam sempre à hora marcada; à noite todos eram obrigados a recolher cedo. Assim os criava nos hábitos de ordem e de aplicação (…)."

 

Vespasiano da Bistici, “Vida dos homens ilustres”, in Gustavo de Freitas, 900 Textos e Documentos de História, vol. II, Lisboa, Plátano Editora

 

  1. Em que consistiam as aprendizagens dos jovens educados por Vitorino de Feltre.
  2. Qual é a tua opinião sobre a educação do Renascimento?
  3. Redige um texto sobre a educação renascentista e a educação na actualidade, comparando as disciplinas de estudo, o desenvolvimento da expressão artística e física.
Publicado por História às 19:49
| Comentar

Crítica de um humanista à nobreza tradicional

“Ao nobre parece não existir nobreza semelhante à sua, pelo que julga que todos os outros lhe ficam muito atrás. Procura, em todas as coisas, fazer como fazem os reis e os príncipes e ordena que o sirvam de joelhos (…).

Não sabe ler nem escrever e se soubesse não quereria saber, porque é tido por mais nobre aquele que menos sabe. Só estuda questões de gravidade e como deve fazer para se mostrar grande e abaixar os demais, porque [para ele] é em coisas como estas e não na virtude que consiste a nobreza.”

 

Anónimo italiano do século XVI, “Verso e Anverso do Reyno de Portugal”, tradução de A. H. de Oliveira Marques, in Revista Nova História, Século XVI, n.º 1

 

  1. Que críticas de fazem à nobreza tradicional na época do Renascimento e como se justificam essas críticas?
Publicado por História às 19:49
| Comentar

O cortesão ideal

"Que o cortesão ideal seja, além de nobre, homem de bem, isto é, prudente, bom, corajoso, confiante; belo e elegante. Que a sua principal e autêntica profissão seja a das armas, que saiba todos os exercícios que convêm a um militar. Que o perfeito homem de corte seja alegre, saiba jogar e dançar, que se mostre homem de espírito e seja discreto.

As letras de Deus revelou aos homens são úteis e necessárias à vida e à dignidade do Homem. Que o cortesão conheça não só o latim, mas também o grego. (…) Que ele saiba escrever em prosa, particularmente a nossa língua. Louvá-lo-ei também por saber várias línguas estrangeiras, principalmente o espanhol e francês (…). A sua cultura parecer-me-á insuficiente se não tiver conhecimentos de música (…). Há ainda um aspecto que julgo de grande importância; trata-se da arte do desenho e da pintura. (…) Que o nosso homem de corte seja um perfeito cavaleiro de toda a sela: nos torneios, nos duelos, nas corridas, no lançamento do dardo e da lança. (…) Convém também que saiba saltar e correr."

 

B. Castiglione, O Cortesão

 

  1. Como é que devia ser o "Homem ideal" renascentista?
Publicado por História às 19:48
| Comentar

O Homem completo

"Verdadeiramente admirável e celeste foi Leonardo da Vinci (...). Assim dedicou-se alguns meses à aritmética (...) cultivou um pouco a música (...) cantava divinamente (...) apesar de tantas curiosidades variadas não deixou de desenhar e esculpir, porque era o que melhor convinha à sua imaginação (...). Inventava, sem cessar, projectos e modelos (...) o seu cérebro nunca parava de destilar invenções (...) a sua conversa era tão agradável que atraia a simpatia. Conta-se que, passando no mercado de pássaros, libertava-os da gaiola, pagava o preço pedido e deixava-os voar para lhes restituir a liberdade perdida."

 

Giorgio Vasari, Vidas in Mémoire de l'Europe

 

  1. Explica por que razão Leonardo da Vinci era considerado um homem ideal.
Publicado por História às 19:46
| Comentar

O Homem no centro do mundo

"Disse Deus ao Homem: coloquei-te no centro do mundo, para que possas olhar à tua volta, e ver o que o mundo contém.

Não te fiz celestial nem terreno, mortal nem imortal, poderás tu próprio escolher o teu caminho. Pela tua vontade poderás tornar-te um bruto irracional ou podes alcançar uma elevada perfeição, quase divina."

 

Picco della Mirandola, A Dignidade do Homem, 1486

 

  1. Qual é a figura mais importante do mundo segundo Pico della Mirandola?
  2. Caracteriza a visão do Homem e do Mundo defendida na fonte.
Publicado por História às 19:45
| Comentar

Divina Proporção. As Proporções da Figura Humana, de Leonardo da Vinci (1490)

 

 

Divina Proporção. As Proporções da Figura Humana, de Leonardo da Vinci (1490)

 

  1. Que importância é dada ao ser humano pela mentalidade renascentista?
Publicado por História às 19:42
| Comentar

A Criação de Adão, de Miguel Ângelo (1508-1512)

 

 

Criação de Adão, pormenor da pintura da abóbada da Capela Sistina no Vaticano, de Miguel Ângelo (Roma, 1508-1512)

 

  1. Que significado atribuis à pintura representada?
Publicado por História às 19:38
| Comentar

A Época Moderna

Nos séculos XV e XVI, vive-se um dinamismo civilizacional notável numa Europa que se abre ao Mundo e ultrapassa as crises dos finais da Idade Média.

É o tempo do Renascimento, movimento cultural iniciado em Itália. baseado na Antiguidade Clássica, faz do Homem o centro do conhecimento, da cultura e da beleza artística.

Embora a Itália, pela sua herança e contactos, sirva de matriz inspiradora ao ressurgimento greco-latino, toda a Europa participa de renovação cultural: da Península Ibérica à Polónia, da Inglaterra à Alemanha. Por toda a parte se fundem as novidades italianas com as descobertas e tradições locais.

No Ocidente da Europa, Lisboa e Sevilha são portas abertas para o Mundo, como ponto de partida e chegada das rotas transoceânicas que interligam para sempre a Europa, a África, a América e a Ásia.

Pelo conhecimento de novas terras, novos mares, novos povos, os países ibéricos contribuem para a vivência universalista da cultura do Renascimento.

Desvendam novas terras, novos mares, novas gentes, novos astros; revelam floras e faunas desconhecidas; conduzem ao aperfeiçoamento das técnicas naúticas; repercutem-se numa nova representação cartográfica da terra.

Fundados na observação e no contacto directo com as realidades, que descrevem rigorosa e pormenorizadamente, os novos conhecimentos da Natureza e do Mundo desacreditam as opiniões dos Antigos. A experiência eleva-se a autoridade e fonte de saber, conduzindo à revolução das concepções cosmológicas.

O Renascimento conheceu a promoção do individualismo. Os humanistas, apaixonados pelos textos gregos e latinos, absorveram os seus valores antropocêntricos, fazendo da cultura antiga um instrumento formativo da personalidade humana. Preocupados com a construção de um mundo melhor, não deixaram de criticar as vilanias do presente, às quais contrapuseram as utopias. A paixão pelos clássicos perseguiu também os artistas, apostados na exaltação da figura humana, no equilíbrio das linhas arquitectónicas, na perfeição e na racionalidade das composições. Não se limitando aos Antigos, foram, todavia, capazes de os ultrapassar. Provam-no a técnica da pintura a óleo, a perspectiva e o naturalismo.

 

Publicado por História às 18:52
| Comentar
Domingo, 2 de Janeiro de 2011

Módulo 3 - A abertura europeia ao Mundo - mutações nos conhecimentos, sensibilidades e valores nos séculos XV e XVI

Conteúdos

1. O Renascimento

2. O alargamento do conhecimento do mundo

3. A produção cultural

4. A renovação da espiritualidade e da religiosidade

Aprendizagens relevantes

- Compreender a Modernidade como fenómeno global que se manifesta nas ideias e nos comportamentos e encontra nos centros urbanos mais dinâmicos da Europa um espaço privilegiado de criação e de irradiação.

Publicado por História às 18:39
| Comentar

Externato Luís de Camões

Pesquisar

 

Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Posts recentes

Guia de estudo para o exa...

Guia de estudo para o tes...

Apresentação "Do autorita...

Caderno Diário "Do autori...

A Revolução de Abril

A liberalização fracassad...

Continuidade e evolução

O isolamento internaciona...

A defesa da independência...

A defesa do Ultramar

A solução para o Ultramar

O sobressalto político de...

Apresentação "Os Totalita...

O Estalinismo

O Estado Novo

O Nazismo

O Fascismo

As consequências da Grand...

A Grande Depressão dos an...

Caderno Diário "A Grande ...

Os "loucos anos 20" e as ...

Caderno Diário "Mutações ...

A falência da Primeira Re...

O agravamento da instabil...

Caderno Diário "Portugal ...

Caderno Diário "As transf...

Da depressão económica à ...

Guia de estudo: As Revolu...

Guia de estudo: A Filosof...

Guia de estudo: O Absolut...

Guia de estudo: A Socieda...

Trabalho de pesquisa - A ...

Trabalho de pesquisa - A ...

Trabalho de pesquisa - A ...

Exercício 5 - A Declaraçã...

Exercício 3 - Manifestaçõ...

Exercício 2 - O Absolutis...

Exercício 1 - A Sociedade...

Do Absolutismo às Revoluç...

Guia de estudo: Humanismo...

Arquivos

Junho 2013

Abril 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Ligações