Sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

Hesíodo e os novos caminhos da mentalidade grega

Provavelmente no final do séc. VIII a.C., surge um poeta que compõe várias obras, de que só chegam até nós a Teogonia e os Trabalhos e Dias.

Estas representam qualquer coisa de inédito até então: “o poeta fala de si, dá o seu nome e profissão, alude à sua experiência pessoal. Já não é alguém escondido por trás da poesia impessoal que é a epopeia, mas alguém que se sente um indivíduo destacado dos demais. […]”
Além disso, Hesíodo distingue-se ainda pela “noção da função didáctica da sua poesia, e se, como Homero, invoca as Musas, só ele especifica que é a verdade que vai ensinar.
O didactismo ficará como típico de Hesíodo.
Na Teogonia conta as origens do mundo e dos deuses. Do Chaos (abismo), bem como da Terra e de Eros, sem que sejam claras as ligações entre eles, saem as primeiras divindades. […] Tais seres vão-se individualizando aos poucos, até estarmos na presença de deuses. Depois vem Uranos, ao qual sucede Cronos, e a estes Zeus, que sucessivamente se mutilam e destronam.”
 Hesíodo terá sido influenciado por lendas orientais: hititas, babilónicas e fenícias. A transmissão terá sido feita em tempos minóicos e mantida até ao tempo do poeta.
Na versão de Hesíodo “não se trata apenas de uma sucessão violenta de vários soberanos dos céus, há um caminho ascensional para a ordem estabelecida por Zeus, que é o triunfo da Justiça.”
No que diz respeito à obra Trabalho e Dias, conhecem-se textos didácticos parecidos, de origem suméria, babilónia, egípcia, em que um pai ensina ao filho preceitos de agricultura ou de outra ordem, ou em que um filho bom constrasta com outro dissipador.
Neste segundo poema, Hesíodo tenta reconduzir ao bom caminho seu irmão Perses.
“O poeta faz o elogio do trabalho e da justiça. Depois fornece minuciosos ensinamentos sobre a agricultura, a que se junta algumas dezenas de versos sobre a navegação. Segue-se uma série de preceitos sobre o comportamento a adoptar para com os outros e consigo mesmo, e por último a enumeração dos dias propícios e nefastos às diversas actividades, em que impera a superstição.
O cenário da parte central do poema é a natureza. Não a natureza objecto de gozo ou felicidade, mas o teatro da constante luta da humanidade. O herói agora é o homem, que trabalha duramente. Esse trabalho é digno, e conduz à superioridade.
Outro eixo do mundo moral de Hesíodo é a justiça, que distingue homens dos animais.
É graças a ambos que se chega ao mérito […].
Podemos ainda reconhecer-lhe dois grandes feitos: a tentativa de codificação de lendas divinas e a aplicação da técnica épica aos actos da vida diária. […]
Mas nem tudo é enumeração de preceitos ou exortação neste poema. Também aqui há outros processos de expor a verdade: a fábula ou o mito […].
O primeiro mito, o de Pandora, propõe-se explicar as origens do mal […]. O outro mito é o das Cinco Idades, que procura explicar a degeneração da humanidade. […]
Com a poesia de Hesíodo ficam abertos muitos caminhos novos à mentalidade grega.”
 
Maria Helena da Rocha Pereira, Estudos da História da Cultura Clássica, Vol. I, Cultura Grega
Publicado por História às 02:39
| Comentar

Externato Luís de Camões

Pesquisar

 

Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Posts recentes

Guia de estudo para o exa...

Guia de estudo para o tes...

Apresentação "Do autorita...

Caderno Diário "Do autori...

A Revolução de Abril

A liberalização fracassad...

Continuidade e evolução

O isolamento internaciona...

A defesa da independência...

A defesa do Ultramar

A solução para o Ultramar

O sobressalto político de...

Apresentação "Os Totalita...

O Estalinismo

O Estado Novo

O Nazismo

O Fascismo

As consequências da Grand...

A Grande Depressão dos an...

Caderno Diário "A Grande ...

Os "loucos anos 20" e as ...

Caderno Diário "Mutações ...

A falência da Primeira Re...

O agravamento da instabil...

Caderno Diário "Portugal ...

Caderno Diário "As transf...

Da depressão económica à ...

Guia de estudo: As Revolu...

Guia de estudo: A Filosof...

Guia de estudo: O Absolut...

Guia de estudo: A Socieda...

Trabalho de pesquisa - A ...

Trabalho de pesquisa - A ...

Trabalho de pesquisa - A ...

Exercício 5 - A Declaraçã...

Exercício 3 - Manifestaçõ...

Exercício 2 - O Absolutis...

Exercício 1 - A Sociedade...

Do Absolutismo às Revoluç...

Guia de estudo: Humanismo...

Arquivos

Junho 2013

Abril 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Ligações