Sábado, 17 de Outubro de 2009

O nascimento da Democracia

“Não podemos esquecer, que [a democracia] é resultante de um processo histórico, cujas raízes se encontram no começo do séc. VI e, mais concretamente, na acção de Sólon. Porém, antes dele existiu Drácon, autor de leis que ficaram famosas pela sua extrema severidade, entre as quais a que condenava à perda de liberdade o devedor insolvente.

Ora precisamente uma das medidas mais importantes de Sólon foi a abolição da escravatura por dívidas (impediu que se fizessem empréstimos sob hipoteca das próprias pessoas). (…) Por outro lado, instituiu do tribunal do Helieu, para o qual todos tinham o direito de apelar contra as sentenças dos magistrados, cujo poder ficava assim cerceado. A parte mais frágil das suas reformas foi a criação de das quatro classes censitárias – os eupátridas e os cavaleiros (que constituíam a nobreza ou aristocracia, grande latifundiária e dedicada à guerra), zeugitas (homens livres com acesso à propriedade do solo), tetas (camponeses livres, sem terra) e escravos – das quais as duas primeiras tinham acesso ao arcontado, a terceira ao Conselho e a última à Assembleia e ao Helieu.
Esta divisão causa de muita discórdia, foi alterada no final do séc. VI por Clístenes, que, em vez de se basear no parentesco e nos rendimentos (a fim de que se perdesse o uso do nome de família), se norteou pela distribuição geográfica, criando as dez tribos de Atenas, cada uma delas composta por três trítias, tiradas das três regiões em que repartiu a Ática: cidade, litoral, interior. É com a obra de Clístenes que se completa, alargando-a, da liberdade pessoal e dos processos judiciários (votar e falar em público), ao campo eleitoral, a famosa isonomia, que se opõe à tirania” (Pereira, 1998).
No séc. V, Péricles sabe que “a participação dos mais pobres nas magistraturas será puramente teórica, enquanto não forem salariados os cidadãos (…) sem preocupações de perda de ganho. (…) Quanto a indemnizações, criou-as para os membros da Bule, para os militares e também para a participação dos cidadãos nas numerosas festas da República. Em contrapartida, não concederá nunca indemnização de desocupação para a Assembleia do Povo, onde a presença dos cidadãos é um dever” (Bonnard, 2007).
Os Atenienses possuíam igualdade nos direitos (isonomia), no falar (isegoria) e no poder (isocracia).
A isonomia estabelecia que as leis eram iguais para todos os cidadãos, independentemente da riqueza ou do prestígio destes, garantia que o cidadão se destacava pelo mérito e não pelos bens ou nascimento.
A isocracia era uma norma que estabelecia que todos os cidadãos tinham igual direito ao voto e a desempenhar cargos políticos, encorajava a participação na vida política da cidade.
Para que nenhum cidadão, nem mesmo o mais pobre, fosse afastado da vida cívica, os cargos eram remunerados (mistoforias). No entanto, esse pagamento era mais baixodo que o de um pedreiro, de modo a que os cargos políticos não fossem procurados para enriquecimento de quem os executava.
Vários cargos, como o de membro da Bulé, o de arconte e o de membro do tribunal do Helieu eram sorteados, para que todos pudessem intervir.
Por último, privilegiava-se a rotatividade das funções, de modo a evitar que um tirano se apoderasse do governo da cidade.
Por último, a isegoria – igual direito de todos os cidadãos ao uso da palavra – favorecia o discurso político como forma de participação cívica. A oratória (dom da palavra) era altamente valorizada. A palavra isegoria “era algumas vezes empregada pelos escritores gregos como sinónimo de democracia” (Finley, 1988). Existiam mesmo escolas de bem falar. Isócrates afirmava, por isso, que a maneira de falar “é o sinal mais seguro da educação de cada um de nós”. No entanto, já nessa época se alertava contra a prática da demagogia (conquista da confiança do povo através do discurso vazio ou de promessas irrealizáveis).
Praticava-se, portanto uma democracia directa, bem diferente da democracia representiva dos nossos dias.
 
Partindo da análise dos documentos, caracterize a democracia ateniense evidenciando o seu carácter directo.

 

Publicado por História às 12:26
| Comentar
5 comentários:
De Francisca Almeida a 26 de Outubro de 2009 às 21:15

A igualdade entre todos os cidadãos foi solidamente estabelecida pelos legisladores atenienses, reparemos nos aspectos seguintes:
--> Insonomia caracterizada pela igualdade perante a lei, isto é, não eram concedidos privilegios consoante a riqueza ou prestigio da familia. Logo todos deviam obdiência ás leis;
--> Isocracia caracterizada pela igualdade de acesso aos cargos politicos, ou seja, todos os cidadãos tinham direito e dever de participar na vida da pólis;
--> Isegoria caracterizada pelo igual direito do uso da palavra, dita que todos podem defender livremente a sua opinião em tribunais, assembleias, etc.
--> Foi criado também um subsidio para que os mais pobres também podessem participar activamente.


De Francisca Almeida a 26 de Outubro de 2009 às 21:17
O contributo das reformas para a implantação e consolidação da democracia de:
--> Sólon - Abolição da escravatura por dívidas;
- Protecção da agricultura, indústria e comércio;
- Criação da moeda;
- Alteração de pesos e medidas;
- Implantação do tribunal do Helieu, ao qual todos tinham o direito de apelar contra as sentenças.

--> Clístenes - Divisão de Atenas, nao pelos rendimentos e parentesco, mas sim pela distribuição geográfica;
- Direito ao voto;
- Direito em falar em Público.


De francisca a 11 de Novembro de 2009 às 16:30
este comentário está no sitio errado!!!!


De Catarina Ferreira Ricardo Amorim Vanessa a 18 de Novembro de 2009 às 17:03
O governo apoiava-se numa democracia directa em que a partir da Eclésia, que era uma assembleia onde todos os cidadãos do sexo masculino com o serviço militar comprido e inscritos nos demos atenienses, podiam opinar acerca das leis, as guerras e o ostracismo, sorteavam e dividiam os vários cidadãos anualmente em diferentes sectores. Um dos sectores era a assembleia, designada Bulé, em que eram sorteados 500 membros (50x10 tribos) para nela prepararem os projectos de lei e tomarem decisões correntes, podendo mais tarde passar às Pritanias. Os Magistrados, outro dos sectores dividia-se em duas áreas distintas. Os Estrategos, que se encarregavam das funções militares (influência política crescente) e os Arcontes que tinham como principais cargos presidirem aos tribunais, exercerem funções religiosas e verificarem as leis (importância progressivamente reduzida). Eram designados para cada uma destas vertentes 10 magistrados. Por fim, o principal sector era o dos tribunais. Este também se divide em dois postos, o Helieu e o Areópago, em que eram sorteados 6000 juízes. Este último, desenvolvia-se a partir do Arcontes, em que julgava os principais crimes de homicídio, incêndio e envenenamento, como também questões religiosas. O Helieu ocupava-se do julgamento da maior parte dos processos.


De Catarina Ferreira, Ricardo.A, Vanessa.S a 18 de Novembro de 2009 às 17:06
peço desculpa pelo nosso engano aqui fica a resposta correcta.

Atenas, sendo destacada de tudo o resto e provida de uma abundante economia, aderiu ao regime democrático, instalando-se assim um governo em que todos os cidadãos podiam dar a sua opinião, naquilo que toca à situação do país, e não deixando essas decisões importantes apenas na mão dos que tinham poder e mérito.


Comentar post

Externato Luís de Camões

Pesquisar

 

Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Posts recentes

Guia de estudo para o exa...

Guia de estudo para o tes...

Apresentação "Do autorita...

Caderno Diário "Do autori...

A Revolução de Abril

A liberalização fracassad...

Continuidade e evolução

O isolamento internaciona...

A defesa da independência...

A defesa do Ultramar

A solução para o Ultramar

O sobressalto político de...

Apresentação "Os Totalita...

O Estalinismo

O Estado Novo

O Nazismo

O Fascismo

As consequências da Grand...

A Grande Depressão dos an...

Caderno Diário "A Grande ...

Os "loucos anos 20" e as ...

Caderno Diário "Mutações ...

A falência da Primeira Re...

O agravamento da instabil...

Caderno Diário "Portugal ...

Caderno Diário "As transf...

Da depressão económica à ...

Guia de estudo: As Revolu...

Guia de estudo: A Filosof...

Guia de estudo: O Absolut...

Guia de estudo: A Socieda...

Trabalho de pesquisa - A ...

Trabalho de pesquisa - A ...

Trabalho de pesquisa - A ...

Exercício 5 - A Declaraçã...

Exercício 3 - Manifestaçõ...

Exercício 2 - O Absolutis...

Exercício 1 - A Sociedade...

Do Absolutismo às Revoluç...

Guia de estudo: Humanismo...

Arquivos

Junho 2013

Abril 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Ligações